Prisma das letras

Bem-aventurado o homem que acha sabedoria, e o homem que adquire conhecimento. Provérbios 3:13

Textos

Há tempos não escrevo (salvo meia dúzia de textos em um ano). Depois do infortúnio que passei, minhas palavras sumiram, minhas letras silenciaram, minha leitura travou e meus escritos adormeceram.
 
Com o advento da tragédia, senti-me sem confiança para escrever; é como se o que eu dissesse ou escrevesse não tivessem mais credibilidade, pois talvez, minhas palavras, sentimentos, expressões, falseassem a imagem e a essência da alma, do espírito.
 
Quem seria eu para falar disso ou daquilo? Estaria sendo autêntico ou hipócrita? E assim, senti minha alma abatida, desfalecer-se e apagar minha motivação, desejo e paixão pela leitura e pela escrita.
 
Mas um filho de Deus passa pelo deserto, mas não fica no deserto, disse-me alguém quando eu atravessei a aridez da alma.
 
E felizmente, depois de um ano do infortúnio, eis-me aqui tentando retornar à estrada das palavras, das letras, da leitura, da escrita. Parece o despertar de uma paixão, não uma nova, e sim aquela que apenas estava adormecida, e não poderia traí-la jamais, mas sentir o entusiasmo com a ideia de voltar a vivê-la intensamente!
 
Voltei a visitar livrarias, voltei a ler. Esses dias, por exemplo, li “O diabo” de Leon Tolstói, estou lendo o clássico de Goethe “Os sofrimentos do jovem Werther”, além das revistas que assino, as quais, por um tempo, ficaram apenas entulhando espaço, pois abstive-me da atividade de leitura durante o furacão vivido.
 
Aliás, quem sabe um dia eu não escreva um romance para contar a história, misturando realidade e ficção. Já pensei nisso. Pelo menos, fiz um diário do drama vivenciado. Foi o produto que me sobrou para escrever naqueles dias de solidão e aridez criativa e intelectual. Vou amadurecer essa ideia. Talvez leve anos para isso, pois muitos escritores levam vários anos para terminar de escrever uma obra, imagine eu – um incipiente aprendiz da arte de escrever!
 
Nesse novo despertar, fui à livraria e vi a obra “Cartas do poeta sobre a vida”, de Rainer Maria Rilke, um dos meus escritores preferidos. Desejei comprá-la, mas no Brasil livro custa muito caro. Desisti por algum tempo, afinal ainda tenho muitas obras para ler – resultado de minha ida à Bienal do Livro, em São Paulo, ano passado. Curioso é que no meio do turbilhão vivido, fui refugiar-me entre milhares de livros. Desejei alguns, comprei-os e guardei-os, agora estou lendo-os.   

Mas enfim, eis-me de volta à escrita e à leitura, minhas grandes paixões, e parafraseando Vinícius: que sejam infinitas enquanto dure a minha vida aqui na Terra, e quem sabe, até no além.
 

Conseguirei? Acho que sim. Mesmo a despeito de os infortúnios vividos nos deixarem marcas indeléveis na alma, penso que somos capazes de superá-los e acordar para um novo amanhecer e um novo horizonte no espetáculo da vida. Sigamos em frente!
 
 
Juscelino Nery
Enviado por Juscelino Nery em 14/09/2013
Alterado em 14/09/2013
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.


Comentários

Site do Escritor criado por Recanto das Letras