Prisma das letras

Bem-aventurado o homem que acha sabedoria, e o homem que adquire conhecimento. Provérbios 3:13

Textos

Hoje, depois de muitos dias, amanheci louco pra escrever, com uma comichão no pensamento. Coisas que acontecem a quem gosta de escrever.

Ao abrir os olhos, ainda deitado, começaram a fervilhar as ideias, as palavras. Durante o banho, elas foram aumentando.

Nesse instante, estou sentado à mesa de uma padaria, onde todos os dias tomo meu café, e comecei a escrever.

Então eu pensava: preciso voltar a escrever, sair dessa paralisia mental, criativa, inspirativa, que se abateu sobre mim depois de uma tragédia pessoal.

Isso me levou a pensar como os invernos da alma, os furacões, desertos e turbilhões da vida paralisam a própria vida.

A capacidade de concentração é roubada por lembranças fantasmas que vêm assolar a nossa mente.

Engraçado. Alguns dizem: não fique assim, tenha força, tenha fé, tenha esperança, tudo vai passar.

Sim, tudo vai passar. Mas não é num passe de mágica, da noite para o dia, é preciso caminhar no deserto, encarar o inverno da alma. Até Jesus Cristo teve seu momento de angústia ao ver que em breve teria que passar pela dor, pelo sofrimento e humilhações para pagar os pecados da humanidade.

Outro dia uma amiga, ao ler meu texto “Crônica à solidão”, recomendou-me: não escreva coisas tristes; escreva coisas alegres. Ora, um poeta escreve suas angústias, seu temores, seus sofrimentos, suas experiências de vida.

Grandes escritores e poetas já o fizeram. E eu, que nem poeta sou, apenas, se muito, aprendiz de escritor, que carrega a paixão pela escrita depois da juventude, não seria diferente deles.

Affonso Romano de Sant'Anna escreveu a obra “Ler o mundo”. Quando escrevemos, só estamos fazendo nossa leitura de mundo. Leitura da vida ao nosso redor, dos mistérios da vida, da existência e fragilidade da alma humana. Então, às vezes, é preciso escrever sobre os desertos da vida, sobre os invernos da alma.

São fontes inesgotáveis e imensuráveis de inspiração para exercer nossa liberdade de voz ao mundo. E quantas vezes esses invernos paralisam a vida! A vida trava, os dias se tornam mais longos. A inspiração e a concentração para escrever vão embora. Isso é terrível para quem gosta de fazer uso da arte da escrita para manifestar seus pensamentos.

A atitude para enfrentar novos desafios fica adormecida. A reação ao inverno da alma é lenta.

Às vezes, queremos entender coisas que jamais entenderemos. A essa altura, nem Freud explica, ninguém explica. Nossa voz não encontra eco, e as respostas não vêm.

O que vem é uma avalanche de pensamentos e lembranças que parecem fantasmas carregando o medo, a insegurança e a incerteza sobre o futuro da vida. Mas, claro. Quem saberá o futuro? Ninguém. Mas durante o inverno da alma, achamos que podemos prever o que pode acontecer. Ilusão, pura ilusão.

Outra questão que me veio ao pensamento foi: onde está o amor na humanidade? Por acaso algum dia ele já existiu? E nesses últimos tempos, amor tem sido artigo de luxo, uma raridade. Jesus Cristo, como sempre, tem razão. Ele disse que por se multiplicar a iniquidade o amor de muitos esfriaria. Nem precisamos falar muito para constatar que Ele estava certo.

Amamos quando e se formos amados. É assim que funciona. Amamos quando nossos interesses, caprichos e bem-estar pessoal são atendidos. Amar na dificuldade, na tristeza, nos momentos duros da vida, isso é cada vez mais raro.

Aprendi na igreja que eu frequentava que amar é decisão. Acho que é isso mesmo. Pois se amor depender de contrapartida, não será amor, será troca. Se amar depender de que nossos caprichos e prazeres sejam satisfeitos por outros, então não há virtude nesse amor. Por isso que Jesus mandou amar nossos inimigos. Pois se amar dependesse de receber o bem do outro, não seria amor.

Mas enfim, isso é assunto pra outro texto, pois haveria muito o que dizer. 

 

 
Juscelino Nery
Enviado por Juscelino Nery em 04/10/2012
Alterado em 02/11/2012
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.


Comentários

Site do Escritor criado por Recanto das Letras