Prisma das letras

Bem-aventurado o homem que acha sabedoria, e o homem que adquire conhecimento. Provérbios 3:13

Textos

No limiar de um novo ano, convido-os a refletirem sobre qual o propósito de vida de cada um de nós, durante a jornada da nossa existência.
 
O eminente e saudoso pastor Myles Munroe (falecido em novembro passado) dizia que “a maior tragédia da vida não é a morte, mas uma vida sem propósitos.”
 
Mike Murdok escreveu O desígnio, para ajudar as pessoas a encontrarem esse propósito; Marcos Witt escreveu Senhor, em que posso te servir?, demonstrando que todos nós possuímos dons, talentos e habilidades que podemos pôr a serviço das pessoas; Rick Warren escreveu Uma vida com propósitos, demonstrando o alinhamento desse propósito numa relação com o nosso Criador; Ed René Kivitz escreveu Vivendo com propósitos, tentando desvendar esse enigma da vida; e Matthew Barnett escreveu A causa dentro de você (emprestei o título parafraseado), no qual descreve sua experiência quando encontrou seu grande objetivo no mundo.
 
Myles Munroe, ainda apresentou cinco questões que todo ser humano deve fazer a si mesmo: “Quem sou eu?”, “De onde eu venho?”, “Por que eu estou aqui?“, “O que posso eu fazer?”, e “Para onde estou indo?”. São perguntas difíceis; exigem um autoconhecimento.
 
Para cumprir o nosso propósito de vida e dar um sentido à nossa existência, é importante o autoconhecimento. Sabermos ou descobrirmos quais são nossos dons, talentos e habilidades, para que possamos colocá-los à disposição do mundo, das pessoas, da sociedade, de nosso país.
 
Nossos dons, talentos e habilidades não devem ser enterrados, escondidos; eles devem ser usados para servir às pessoas, ajudá-las. Jesus Cristo, nos Evangelhos, deixou a parábola dos talentos, para refletirmos sobre o que nós estamos fazendo com eles.
 
Na história da humanidade temos vários exemplos de pessoas que tiveram e realizaram o propósito de suas vidas.
 
Marthin Luther King lutou e morreu por um propósito de vida -  pela liberdade civil, pelo direito dos negros e fim da segregação racial, nos Estados Unidos da América.
 
Nelson Mandela ficou preso quase trinta anos porque tinha um propósito de vida – a luta contra o aparthaide. 
 
Madre Teresa de Calcutá foi incansável na luta contra a miséria e a pobreza em vários lugares no mundo.
 
No campo da literatura, Balzac, um dos ícones da literatura francesa, deixou seu nome na história porque nunca desistiu de seu sonho e seu propósito de ser escritor; até os trinta anos ainda não tinha obtido êxito, mas jamais desvaneceu, desistiu, e por fim, venceu.
 
Jack Kerouac, escritor norte-americano, a despeito de sua vida meio louca, costumava dizer: “Sempre considerei escrever o meu dever na terra”.
 
O grande missionário inglês, David Livingstone, morreu cumprindo seu propósito de levar o evangelho das boas novas à África.
 
Victor Frankl, sobrevivente dos campos de concentração nazistas, desenvolveu a logoterapia, um campo da psiquiatria que ajuda as pessoas na busca de dar um sentido a suas vidas; ele escreveu “Em busca de sentido”, livro no qual relata sua experiência durante o período em que viveu em Auschitz e outros campos. Tudo porque ele tinha um propósito para viver e buscou sempre dar um sentido à sua vida.
 
Esses são apenas alguns exemplos, para refletirmos sobre o que estamos fazendo para descobrir ou cumprir nosso propósito nessa vida.
 
O que pulsa dentro de nós? Qual é a nossa paixão? O que amamos fazer? O que nos deixa indignados? O que nos faz chorar? Essas são algumas questões que nos dão indícios de qual o nosso propósito de vida, qual é a causa a que estamos dispostos a viver e até morrer.
 
O mundo está em agonia; as pessoas precisam de ajuda. Tenho lido um pouco sobre isso. A cultura pós-moderna trouxe uma decadência política, moral, filosófica, ética e espiritual sem precedentes.
 
Não são somente minhas impressões de leitor, mas nomes como Mario Vargas Llosa, Olavo de Carvalho, Domenico de Masi, Eric Hobsbawn, Tony Judt e Adauto Novaes – organizador de uma coletânea de ensaios sobre as novas configurações do mundo, entre outros, têm expressado em suas obras o processo de transformação, crise e agonia da sociedade, do mundo, desde o século XX até nossos dias.
 
Nesse contexto, o que estamos fazendo para ajudar a humanidade, as pessoas, nosso país? Eu, pessoalmente, estou nessa busca; tenho lido bastante, aprendido um pouco, pesquisado, e por que não, feito minhas orações para que eu possa desenvolver meus dons, talentos e habilidades para servir às pessoas, ao meu país, e quiçá, ao mundo.
 
Eis a reflexão a qual os convido a fazer juntos comigo nessa passagem de ano. Quem sabe podemos ajudar a construir um mundo melhor, um país melhor, mesmo a despeito de que tudo conspira contra isso. Mas a esperança não deve morrer em nossos corações!
Juscelino Nery
Enviado por Juscelino Nery em 30/12/2014
Alterado em 30/12/2014
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.


Comentários

Site do Escritor criado por Recanto das Letras