Prisma das letras

Bem-aventurado o homem que acha sabedoria, e o homem que adquire conhecimento. Provérbios 3:13

Textos

Há tempos não escrevo. Abateu-se sobre mim uma espécie de branco da escrita, ou bloqueio criativo,  ou sei lá o quê. Hoje, deu um estalo de escrever sobre a dor das perdas.
 
Sejam elas a de um pai, uma mãe, um amigo, um amor, um filho - talvez essa seja a maior de todas; seja porque quem você ama vai embora pra outro lugar e você dificilmente irá vê-lo de novo; seja porque partiu dessa vida para o além; seja porque uma relação foi rompida e um casamento e grande amor foi perdido, enfim, resolvi soltar a escrita.

Fico imaginando se existisse um almômetro (medidor de sentimentos da alma), neologismo que criei agora ou quem sabe já exista e eu não conheça, como seria representada a dor na alma pela perda de alguém que se ama.

Creio que a medida seria abaixo de zero (0), negativa. E quanto maior a intensidade da dor, mais negativa seria: -1, -2, -3, etc.

Algumas pessoas jamais são saradas das feridas na alma, e viverão sempre sentindo a dor da perda.

Isso pode acontecer, por exemplo, quando se perde um filho, principalmente se é o único. (filho, no sentido genérico, claro - filho ou filha). Nem quero imaginar o que eu sentiria ou como seria a vida pra mim, se perdesse minha única filha.

Há pessoas que sofrem em silêncio, expressam a sua dor consigo mesmo, pois não há quem as compreenda, ou possa ajudá-las. 

Também há aquelas que a dor é tão intensa que sonhos são abortados, perdidos, abandonados, pois não se encontra mais forças para prosseguir. A dor atrapalha a concentração para planejar os sonhos, horizontes.

Às vezes, quando se pensa que a alma está sarada, lembranças fantasmagóricas penetram no mais íntimo lugar da alma, e como uma ponta de alfinete num balão, estouram e reabrem as feridas, causando dor e sofrimento.

Talvez a ideia de escrever sobre a dor das perdas vieram por eu presenciar, recentemente, pessoas amigas, próximas, que experimentaram ou estão experimentando essa dor na alma. Eu também já experimentei, e sei o quanto dói.

Algumas delas ficam meses, até anos, sentindo a dor da perda na alma. E como já disse, alguns nunca são saradas completamente.

Lembrei de um caso que, por ironia do destino, caiu em minhas mãos - um processo administrativo de isenção do imposto de renda por doença grave. 

Quando li os autos, no mesmo instante percebi que a vida de um homem foi estraçalhada quando perdeu sua amada esposa ao dar à luz a sua única filha.

Que dilema! A esposa morreu ao dar à luz, e restou como consolo pela perda, o nascimento da única filha daquele homem e de sua querida esposa, que partiu para o além.

Daquele instante em diante, aquele homem nunca mais foi mesmo. Sua vida definhou. 

E outra vez, a ironia do destino se apresentou: a única filha daquele homem e de sua esposa falecida, graduou-se em Direito e havia conquistado uma grande vitória, mesmo sem ter a sua mãe ao seu lado. Aquela jovem se superou. Sem mãe, e o pai com a alma em frangalhos, ela venceu a própria vida.

Aquele homem viveu o resto da sua vida dedicando-se àquela filha, mas tenho certeza que sua alma jamais foi curada, e a dor na alma nunca passou. O único sentido para a vida dele foi dedicar a própria vida pela filha, mesmo que depois tenha sofrido as consequências no corpo, da dor infligida no interior do seu ser.

A filha era o símbolo, o significado de um grande amor perdido por uma fatalidade da vida. Amores assim são raridades. Prevalecem, hoje em dia, os amores banais, condicionados ao próprio bem-estar. Assim é fácil amar.

Mas enfim, ao refletir sobre a dor na alma humana, surgiu a ideia desse texto. Escrevi-o. Quem sabe alguém esteja sofrendo por aí e precise compartilhar com este texto a sua própria dor. Quem saberá?!














 


 
Juscelino Nery
Enviado por Juscelino Nery em 13/03/2014
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.


Comentários

Site do Escritor criado por Recanto das Letras