Prisma das letras

Bem-aventurado o homem que acha sabedoria, e o homem que adquire conhecimento. Provérbios 3:13

Textos

CRÔNICA À SOLIDÃO
Ah, solidão! Por que me maltratas tanto assim?
Por que abates a minha alma? Por que enfraqueces o meu espírito? Por que corróis o meu ser? Por que atormentas a minha mente?
Ah, solidão! És algoz da minha alma, do meu ser, do meu espírito.
Tua presença desfalece as minhas forças. Incomodas-me com tua insistência.
Trazes contigo a sensação de abandono, de desesperança.
Trazes as lágrimas que molham o meu rosto.
Trazes a pior das dores – a dor na alma.
És implacável quando surges.
Não tens dó nem piedade de mim.
Ah, solidão! Quisera eu ter o controle sobre ti e pudesse te mandar ir embora pra nunca mais voltares.
Quisera eu não sentir a tua presença sempre incômoda e cruel.
Pareço o Davi e tu o Golias. Mas Davi tinha a funda milagrosa para derrubar Golias; eu, porém, não tenho a chave do milagre para vencer-te.
Ah, solidão! Fazia muito tempo que não davas o ar da tua graça; ou melhor, o ar da tua desgraça.
Sim, porque carregas em ti a dor e o sofrimento.
Parece inútil lutar contra ti. És forte e aprisionas meu grito de alegria, meu sorriso de viver.
Atormentas a minha esperança. Massacras-me com as desilusões que carregas em ti.
És sagaz, sorrateira e mesquinha. Não me dás chance de resistir às agruras infligidas pelo destino ao meu coração.
Ah, solidão! Deixe-me em paz. Dê-me um pouco de sossego. Chega de me torturares. Basta de me massacrares.
O que te fiz pra fazeres isso comigo?
Por favor, solidão! Vá embora. Não inflames mais a minha dor. Não mexas mais nas minhas feridas. Tens piedade do meu ser.
Ah, solidão! Deixe-me em paz. Eu te imploro: deixe-me em paz! Siga teu caminho. Esqueça-me.
Ficarei grato se fizeres isso, solidão!
Ah, solidão...!


 

Obs: texto escrito em algum dia do mês de julho de 2012.
Juscelino Nery
Enviado por Juscelino Nery em 27/08/2012
Alterado em 28/08/2012
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.


Comentários

Site do Escritor criado por Recanto das Letras