Prisma das letras

Bem-aventurado o homem que acha sabedoria, e o homem que adquire conhecimento. Provérbios 3:13

Textos

A Folha de São Paulo trouxe, hoje, na manchete de primeira página:“Tribunal livra de prisão quem recusar bafômetro”. E a matéria assinada foi escrita sob o tema: “STJ esvazia punição criminal para embriagados ao volante”. “Testemunhas, incluindo guardas de trânsito, e testes em que o médico examina o motorista visualmente não valem mais como prova para incriminar alguém que dirige bêbado” - diz a nota.

Se este tema era pra causar impacto nos leitores, em mim, certamente, funcionou, pois sou extremamente favorável e radical à punição dos assassinos do asfalto, quando dominados pelos efeitos destrutivos do álcool – embriaguez, para os que se fazem de desentendidos.

Sim, porque outro dia escrevi uma crônica sobre esse assunto e recebi um comentário no meu blog de um sujeito que reclamava: "No Brasil estão proibindo e obrigando vc a fazer tudo agora! cade a Democracia! o voto é obrigatório, não pode beber, não pode fumar... aonde isso vai parar" (sic). Eu diria a esse camarada: Beber pode, encher o caneco, a lata, pode; matar pessoas inocentes, usando carro como arma, sob efeito de bebidas alcoólicas não, não pode!
 
Voltando à notícia, esta é mais uma piada dos artistas, agora do Poder Judiciário, também originada na ilha da fantasia; e o palhaço, de novo, o povo brasileiro, ou melhor, os cidadãos de bem deste país, as vítimas da violência no trânsito. É a legitimação do homicídio usando-se veículos como arma. Que papelão hein, senhores juristas e legisladores! Viva os cachaceiros assassinos!
 
As estatísticas divulgadas pela mídia informam que morrem mais de 40.000 (QUARENTA MIL!) pessoas, vítimas de acidentes de trânsito; e desse número, cerca de 40 % dessa desgraça é causada pelos beberrões do asfalto.

Os artistas (sempre me refiro a eles dessa forma), para amenizar o tamanho da tragédia, criaram uma legislação ineficaz para punir os assassinos. Que fique claro: minha indignação é contra os beberrões irresponsáveis, contra os embriagados que matam ao volante, contra os irresponsáveis de qualquer forma no trânsito, e contra nossos nobres legisladores e juristas, que compartilham e apoiam essa catástrofe – mortes e outras desgraças no trânsito brasileiro, decorrentes de ações de motoristas embriagados.
 
Qualquer um está sujeito a um acidente, por um descuido – embora seja preferível, sempre, ser prudente. Ninguém está isento de se envolver em acidente de trânsito. Mas garanto: a tragédia é provocada, na maioria das vezes, por irresponsabilidade, selvageria, imprudência e, claro, a maldita cachaçada.
 
É quase certo que, o percentual decorrente de outros fatores, que não o próprio motorista, seja inexpressivo. As condições das vias, sinalização deficiente, também são causas do infortúnio, mas em níveis proporcionais menores que a desumanidade dos motoristas.

Acho, sinceramente, que todo esse mal causado no trânsito decorre do egoísmo do ser humano e de suas atitudes animalescas, selvagens, sem qualquer educação, responsabilidade e civilidade.

Como fazer para evitar mais danos? Criar leis severas e eficazes para punir os malditos criminosos. Infelizmente, os artistas não têm competência pra isso; e nossos nobres juristas compactuam com a impunidade e acobertam os infratores, ou melhor, os homicidas. E educar, civilizar, também é de suma importância.

 
Ainda em relação à matéria, um dos promotores, representante do Ministério Público que cuidou do caso, assim se manifestou: “A lei seca está enfraquecida, a não ser que a pessoa, com todo o respeito, seja muito otária e se submeta ao bafômetro". Lamentável constatação.

O coitado do relator, que teve voto vencido, exprimiu-se: “Não se pode tolerar que o infrator, com garrafa de bebida no carro, bafo e cambaleando, não possa ser preso porque recusou o bafômetro"

Mas enfim, sempre questiono: o Direito é para aplicar a lei ou para fazer justiça? O Poder Judiciário é para aplicar a lei ou fazer a justiça?

Tecnicamente é uma definição difícil, visto que o Judiciário deve se ater ao direito positivo estabelecido, inclusive, na Constituição Federal; e não de exercer juízos subjetivos de valor, embora isso nem sempre seja tão claro assim, a menos que tais juízos sejam para favorecer certos indivíduos do poder dominante – os bandidos do colarinho branco, por exemplo, soltos na calada da noite.

Essa discussão vai mais além. Eu poderia inquirir, por exemplo: se os direitos individuais devem ser protegidos, como ficam o direito coletivo, o bem social, o interesse público, a proteção do Estado a seus cidadãos, quando protege individualmente motoristas irresponsáveis, por não serem obrigados a produzirem provas contra si, mormente quando visivelmente embriagados, encachaçados, saem por aí matando pessoas inocentes ? É uma boa questão jurídica a ser respondida.

Todavia, sempre haverá uma brecha jurídica para proteger os criminosos, e claro, haverá sempre advogados bonzinhos e honestos para defenderem seus pupilos – amigos do álcool, mesmo que o inferno os aguarde mais na frente, nesta e na outra vida, quem sabe.

E na contraposição da declaração de que “só quem for otário se submeterá ao bafômetro”, eu diria: Otário é quem morre! Quem mandou cruzar com pinguços ao volante! Benditos sejam seus protetores para todo o sempre. Amém! 

 
Juscelino Nery
Enviado por Juscelino Nery em 29/03/2012
Alterado em 29/03/2012
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.


Comentários

Site do Escritor criado por Recanto das Letras